DEC.LEI Nº344/97

TODOS OS TEXTOS SÃO DA PROPRIEDADE DO AUTOR E ESTÃO REGISTADOS AO ABRIGO DA LEI DA PROTECÇÃO DOS DIREITOS AUTORAIS E PROPRIEDADE INTELECTUAL. INCORRE NO CRIME DE CONTRAFACÇÃO QUEM SE APROPRIAR, COPIAR, PLAGIAR E MENCIONAR NO TODO OU/E EM PARTE OS TRABALHOS AQUI PUBLICADOS, EM CONFORMIDADE COM O CÓDIGO DE DIREITOS DE AUTOR E DOS DIREITOS CONEXOS.
.
.
.
Escrever é poder amar-te



quinta-feira, 17 de janeiro de 2008

VIRTUA(DE)LIDADES

Bebía as palavras, engolía-as sem mastigar, tudo numa assentada apressada à procura de si, um verbo que lhe traísse o nome, a dedicatória. Consumía o texto expectante do amor declarado, a dúvida iluminada pelo quero-te, amo-te, desejo-te. Voltava ao inicio, demorava os olhos nas frases terminadas a reticências, a vontade de encontrar-se ali exibida como objecto do amor suspirado e no entanto... interrogava-se, enciumava-se no pensar a outras alcançado, quería-se única e cobiçada, imaginava-se nos braços vigorosos de tal paixão. E ao desligar o computador desligava esse fogo ardente, esse amor virtual em que a maior virtude é sentir de quem não se conhece.

5 comentários:

Lu@r disse...

Quando deixar de pensar nos outros e ler para si mesma palavras que traduzem momentos perfeitos o simples gesto de desligar o botão não faz esquecer o que não se conhece.

poetaeusou . . . disse...

*
diz-me bill gates,
quando real, o virtual,
,
xi
,
*

Eärwen Tulcakelumë disse...

Bebi aqui teu conto...

Pérolas incandescentes de carinho amigo.

Eärwen

GarçaReal disse...

A vivêncis no virtual, a imaginação daquilo que nem sabemos se existe.

O desligar de um botão...O apagar...

Apaga????????????
Não sei

bjgrande em ti

Whispers in night disse...

Ola Linda!
Uma fuga e o que e, uma fuga da fantasia para a realidade...
beijinhos mil
Rachel