DEC.LEI Nº344/97

TODOS OS TEXTOS SÃO DA PROPRIEDADE DO AUTOR E ESTÃO REGISTADOS AO ABRIGO DA LEI DA PROTECÇÃO DOS DIREITOS AUTORAIS E PROPRIEDADE INTELECTUAL. INCORRE NO CRIME DE CONTRAFACÇÃO QUEM SE APROPRIAR, COPIAR, PLAGIAR E MENCIONAR NO TODO OU/E EM PARTE OS TRABALHOS AQUI PUBLICADOS, EM CONFORMIDADE COM O CÓDIGO DE DIREITOS DE AUTOR E DOS DIREITOS CONEXOS.
.
.
.
Escrever é poder amar-te



sexta-feira, 11 de janeiro de 2008

PÃO

Juntei tudo o que era importante para te amar. Laborei de afinco e mangas arregaçadas para que se moldasse num só coração generoso, levedado, a crescer no tempo que nos era devido. Fomos pão, alimento de corpo, saciedade da alma no bem que nos queríamos, verdadeiros como só o pão o sabe ser. Agora que murchou, que as engelhas endurecem como sulcos e tu te foste, raspo o bolor esverdinhado que aparece e ainda o tomo na boca. O amor como o pão tem sempre serventía, tudo se aproveita até mesmo a dor de o tragar requentado.

2 comentários:

Paulo Vilmar disse...

Sant'ana!
Creio que acabamos comendo o pão envelhecido por nostalgia, não por fome! O problema é que comemos...
Aoro te visitar!
Beijos.

Whispers in night disse...

Ola linda!

Por vezes esquecemos o pao duro, pensando que o outro pao fresco e quente nos vai matar a fome....Na verdade, que tolos que somos, porque o pao duro sera muito melhor alimento

Beijos mil
Rachel