DEC.LEI Nº344/97

TODOS OS TEXTOS SÃO DA PROPRIEDADE DO AUTOR E ESTÃO REGISTADOS AO ABRIGO DA LEI DA PROTECÇÃO DOS DIREITOS AUTORAIS E PROPRIEDADE INTELECTUAL. INCORRE NO CRIME DE CONTRAFACÇÃO QUEM SE APROPRIAR, COPIAR, PLAGIAR E MENCIONAR NO TODO OU/E EM PARTE OS TRABALHOS AQUI PUBLICADOS, EM CONFORMIDADE COM O CÓDIGO DE DIREITOS DE AUTOR E DOS DIREITOS CONEXOS.
.
.
.
Escrever é poder amar-te



domingo, 2 de dezembro de 2007

OUVIR

Ouço-te no marulhar das paredes vestidas de papel naif quando a noite a borbulhar chega apoderando-se dos ruídos do silêncio. Os móveis de madeira encerada estalam ao calor da tua gargalhada. Repito entoações que me dizem ecos de frases tuas, decoro-as, digo-as para mim, sussurro-as aos objectos de sombras que a luz da lua projecta ao alcance da minha mão: Perto, longe, monstros que de dia me servem agora encolhem-se quando te escuto e avisados, recolhem-se. Não me assusto, sei-te aqui comigo, a tua voz a ressoar no meu peito, o coração descompassado ao verbo mágico conjugado na determinação do pronome pessoal. Levas-me assim até adormecer, embalada na tua voz de ninar, grave de intenção.

3 comentários:

Lu@r disse...

Em plena madrugada
Observo o teu olhar
sinto o teu respirar
a aquecer o meu peito

Deixo-te adormecer...

Eärwen Tulcakelumë disse...

Saber que temos...esta é sem dúvida a melhor coisa.

Pérolas incadescentes de verdadeiro querer.

Eärwen

GarçaReal disse...

É bom termos alguém que nos adormeça
e nos sussurre doces palavras ao ouvido...

bjgrande