DEC.LEI Nº344/97

TODOS OS TEXTOS SÃO DA PROPRIEDADE DO AUTOR E ESTÃO REGISTADOS AO ABRIGO DA LEI DA PROTECÇÃO DOS DIREITOS AUTORAIS E PROPRIEDADE INTELECTUAL. INCORRE NO CRIME DE CONTRAFACÇÃO QUEM SE APROPRIAR, COPIAR, PLAGIAR E MENCIONAR NO TODO OU/E EM PARTE OS TRABALHOS AQUI PUBLICADOS, EM CONFORMIDADE COM O CÓDIGO DE DIREITOS DE AUTOR E DOS DIREITOS CONEXOS.
.
.
.
Escrever é poder amar-te



segunda-feira, 17 de dezembro de 2007

ARROZ DOCE

Fazía-o como ninguém: suave, cremoso, untuoso, perfumado, colorido naquele amarelo de gemas gordas, largas como pires, as cascas de limão muito finas a espreitarem na mistura borbulhante, sempre à roda, sempre a mexer, tudo leite muito gordo, muito olhar sobre o lume, brando de abrir o arroz, nosso carolino que dobra e é macio. Anunciava as delicias de quem o iría tomar, colher a colher até rapar o seu amor perdido de amores por aquele doce, o açúcar no ponto certo sem enjoo ou amargura. No enfeite o beijo final, esmiuçada entre dedos a canela em pó a desenhar grelhas, flores, rendas perfeitas, monogramas que se entrelaçavam com o que de si oferecía e o sorriso que cobrava. Gabavam-lhe a mão, a maestria artesã de tal remate na refeição. Nem notavam que o que os adoçava era o carinho mexido na panela, os perfumes a pairar no calor de quem faz porque ama.


(À minha Avó F. Sant'Ana)

3 comentários:

£oµ¢o Ðe £Î§ßoa disse...

Gosto da parte onde jaz parte da vestimenta do limão.

poetaeusou . . . disse...

*
regredi,
ao doce arroz,
doce,
por condição,
,
xi
*

MBSilva disse...

Já sinto aqui o cheirinho...
Abriu-me o apetite!

Um beijinho grande!!!

M.