DEC.LEI Nº344/97

TODOS OS TEXTOS SÃO DA PROPRIEDADE DO AUTOR E ESTÃO REGISTADOS AO ABRIGO DA LEI DA PROTECÇÃO DOS DIREITOS AUTORAIS E PROPRIEDADE INTELECTUAL. INCORRE NO CRIME DE CONTRAFACÇÃO QUEM SE APROPRIAR, COPIAR, PLAGIAR E MENCIONAR NO TODO OU/E EM PARTE OS TRABALHOS AQUI PUBLICADOS, EM CONFORMIDADE COM O CÓDIGO DE DIREITOS DE AUTOR E DOS DIREITOS CONEXOS.
.
.
.
Escrever é poder amar-te



quinta-feira, 8 de novembro de 2007

REQUIEM

Em certos dias perdía a voz, um único som ou respirar mais arranhado conseguía despregar da garganta e mesmo que se esforçasse, as cordas vocais atavam-se em nós e ruído algum se produzía. Não o fazía por intenção: vía o mundo como uma pauta, as notas pretas a destacarem o fundo muito branco dos cadernos de musica, organizadas, linha acima, linha abaixo, cinco ao todo. Sempre o sentira assim. Primeiro sem o entender e sem alcançar porque perdía o som que se agitava dentro do peito, as costelas a vibrarem como um diapasão, a afinação era nenhuma e aquele tormento de colcheias e semi-colcheias a chocarem perturbava-a sem conseguir chegar ao aviso e ao pedido de socorro. Com o tempo aprendeu a engolir em seco e as notas empurradas pela bola de ar inspirada eram atiradas de costas numa tontura que as deixava sem acção por momentos. Mas logo se organizavam e se formatavam na pauta, ordenadamente, o som pronto a ser expelido. Mas não saía. Subíam como vapor até ao cérebro e durante horas, dias atormentavam-na numa sinfonia terrível que lhe dominava a vontade.
O vómito surgiu no dia em que lhe beijaram os lábios. Cuspiu tudo a jorro, em golfadas negras e brancas que sujaram os pés de quem a beijou. Ele horrorizado partiu em debandada e foi incapaz de agarrar as notas caídas e formar uma simples melodia para lhe oferecer.

2 comentários:

MEU DOCE AMOR disse...

E assim acontece pela vida fora.

Belo texto.Gostei imenso.

Um beijo doce

Lu@r disse...

Interessante essa maneira de descrever um momento...
Parece-me que ele não soube o que ia dentro daquela alma para isso bastava ler os olhos.

Juntar as notas e numa melodia improvisada oferecer-lhe os encantos da vida.