DEC.LEI Nº344/97

TODOS OS TEXTOS SÃO DA PROPRIEDADE DO AUTOR E ESTÃO REGISTADOS AO ABRIGO DA LEI DA PROTECÇÃO DOS DIREITOS AUTORAIS E PROPRIEDADE INTELECTUAL. INCORRE NO CRIME DE CONTRAFACÇÃO QUEM SE APROPRIAR, COPIAR, PLAGIAR E MENCIONAR NO TODO OU/E EM PARTE OS TRABALHOS AQUI PUBLICADOS, EM CONFORMIDADE COM O CÓDIGO DE DIREITOS DE AUTOR E DOS DIREITOS CONEXOS.
.
.
.
Escrever é poder amar-te



quinta-feira, 18 de outubro de 2007

RABISCOS

Ao abrir a gaveta o colorido dos lápis mordeu-lhe a vista. Ficou parado num tempo a olhá-los a vibrarem no grito de súplica para virem à luz do dia manchar uma qualquer folha branca de papel. Hesitou no escolhido... Mas o berrante vermelho prendeu-se-lhe à mão e bem seguro entre os dedos logo tingiu pulso, braço, subindo vertiginoso até à boca e intruso alastrou-se pelo homem todo.
As outras cores ciumentas agitaram-se e ameaçaram inundar a gaveta fazendo-se perder em mares incontroláveis e misturados, impossíveis de separar o azul-céu e o amarelo-sol.
O homem mergulhou ambas mãos e agarrou as cores num feixe. Sentiu um relâmpago dentro de si, o vermelho ciumento pelejando pela exclusividade, o verde tentando atingir a alma, o branco directo ao coração, uma luta de territórios pela tintura.
Derrubado deixou de se debater. Procurou a folha e rabiscando permitiu que a arte se fizesse.

2 comentários:

Dias disse...

Este texto é incrivel, adoro-o.

Beijo

Papoila disse...

não haja dúvida minha querida que a escrita é mesmo uma arte... e tu tens essa arte em ti.

Beijos
BF