DEC.LEI Nº344/97

TODOS OS TEXTOS SÃO DA PROPRIEDADE DO AUTOR E ESTÃO REGISTADOS AO ABRIGO DA LEI DA PROTECÇÃO DOS DIREITOS AUTORAIS E PROPRIEDADE INTELECTUAL. INCORRE NO CRIME DE CONTRAFACÇÃO QUEM SE APROPRIAR, COPIAR, PLAGIAR E MENCIONAR NO TODO OU/E EM PARTE OS TRABALHOS AQUI PUBLICADOS, EM CONFORMIDADE COM O CÓDIGO DE DIREITOS DE AUTOR E DOS DIREITOS CONEXOS.
.
.
.
Escrever é poder amar-te



quinta-feira, 25 de outubro de 2007

COMO UM ABACAXI

Cara fechada, séria, o sobrolho esquerdo arqueado na apreciação critica, voz colocada nas certezas do dizer, gesto marcado, passos fortes e vibrantes. Uma bolha rodeava-a.
Mas aquele que conseguiu chegar-lhe descobriu-lhe na semelhança do abacaxi a dureza da casca, o espinhento dos losangos como armadura contra as emoções, a rama de serrilha pronta a desferir logo que a ameaça se chegasse próximo.
Perfurou-a de paixão até atingir a polpa dourada, macia, o melaço pingando até à coluna circular e que aguentava uma carne suculenta cheia de carinhos e desejos.
Comeu, saciou-se, melou-se no suco amarelo.
Depois fartou-se. Vieram as moscas patinhar no miolo, a casca manchada de pisaduras, a rama murcha.
E ela aberta, escachada no polme azedou.

3 comentários:

Dias disse...

Assim rasgada a polme apodrecida
Vida minha do suco digestivo ao palato
Miíases de querer no fruto e língua
Espezinhando o todo que somos no acido

O teu texto é fabuloso, estás on fire miúda, parabéns!

Beijo de cal

£oµ¢o Ðe £Î§ßoa disse...

E como saber se nos vamos fartar se não provarmos?
E como saber se o fim é como um polme azedo se não nos dermos a provar?

Não gosto de abacaxi!

Até outro desinstante quaisquer...

poetaeusou . . . disse...

*
depois fartou - se . . .
*
é . . .
lá, como cá !
*
xi
*