DEC.LEI Nº344/97

TODOS OS TEXTOS SÃO DA PROPRIEDADE DO AUTOR E ESTÃO REGISTADOS AO ABRIGO DA LEI DA PROTECÇÃO DOS DIREITOS AUTORAIS E PROPRIEDADE INTELECTUAL. INCORRE NO CRIME DE CONTRAFACÇÃO QUEM SE APROPRIAR, COPIAR, PLAGIAR E MENCIONAR NO TODO OU/E EM PARTE OS TRABALHOS AQUI PUBLICADOS, EM CONFORMIDADE COM O CÓDIGO DE DIREITOS DE AUTOR E DOS DIREITOS CONEXOS.
.
.
.
Escrever é poder amar-te



sexta-feira, 26 de outubro de 2007

ESCREVER (é poder amar-te)

Primeiro inclinou-se sobre a mesa, um gesto dedicado para melhor se debruçar sobre ele. Escreveu-lhe um rosto, olhos rasgados e boca cheia. De seguida inventou-lhe as mãos de dedos longos e de nós perfeitos numa pele levemente acetinada que subía braços arriba até ao implante de um dorso seco ligeiramente aconcavado nas costelas contadas. Sem fim descreveu-lhe às pernas.
Rectificou a pontuação como uma especiaría tirada de um barco de piratas. Leu-o, provou-o, sorriu e gostou.
Afagou na palma o vinco das letras iniciando o ritual dos preliminares.
No avanço da narrativa recebía o prazer do texto, deixava-se ir, quería-se tomada.
E tanto desejo sentiu que na cópula mergulhou nas letras e fez-se linhas junto a ele.

4 comentários:

Zézito do Nada disse...

é como pintar uma tela. imaginando atravez da leitura.

.... disse...

...E ler é poder ler-te!
Continuas a fazer aquecer sem arder!
Formiguinha Sony

Dias disse...

Por este e por tantos outros te venero oh escritora impar.

"E tanto desejo sentiu que na cópula mergulhou nas letras e fez-se linhas junto a ele."

EXCELENTE!!

Beijo

poetaeusou . . . disse...

*
Leu-o, provou-o, sorriu e gostou.
,
e eu, ao ler-te
*
xi
*