DEC.LEI Nº344/97

TODOS OS TEXTOS SÃO DA PROPRIEDADE DO AUTOR E ESTÃO REGISTADOS AO ABRIGO DA LEI DA PROTECÇÃO DOS DIREITOS AUTORAIS E PROPRIEDADE INTELECTUAL. INCORRE NO CRIME DE CONTRAFACÇÃO QUEM SE APROPRIAR, COPIAR, PLAGIAR E MENCIONAR NO TODO OU/E EM PARTE OS TRABALHOS AQUI PUBLICADOS, EM CONFORMIDADE COM O CÓDIGO DE DIREITOS DE AUTOR E DOS DIREITOS CONEXOS.
.
.
.
Escrever é poder amar-te



quinta-feira, 21 de fevereiro de 2008

REBUÇADOS

Mais uma madrugada recolhida nas notas amachucadas no fundo da bolsa coberta de lantejoulas vermelhas, pequena, capaz o suficiente para esconder o baton de cor ameixa, a protecção fina, alguns cigarros soltos, a chave de casa e rebuçados de fruta. Chupava-os na amargura pós-venda, enquanto endireitava as meias de renda negra que nunca tirava para os clientes e porque assim poupava tempo na partida e enganava a fome como houvera enganado o freguês baboso do muito amor negociado. Guardava os papéis de celofane e ao nascer do dia no regresso manco a casa somava-os fazendo uma contabilidade de quantos havía de limão e quantos de violeta, puxava do palato e atribuía a cada dinheiro esgalhado um sabor. Penalizava-se entre cores e prometía-se na noite seguinte mais nenhum contar.

1 comentário:

Moonlight disse...

Enganar o sabor que sobrava nos lábios, aquele sabor que é urgente esquecer.

Beijo