DEC.LEI Nº344/97

TODOS OS TEXTOS SÃO DA PROPRIEDADE DO AUTOR E ESTÃO REGISTADOS AO ABRIGO DA LEI DA PROTECÇÃO DOS DIREITOS AUTORAIS E PROPRIEDADE INTELECTUAL. INCORRE NO CRIME DE CONTRAFACÇÃO QUEM SE APROPRIAR, COPIAR, PLAGIAR E MENCIONAR NO TODO OU/E EM PARTE OS TRABALHOS AQUI PUBLICADOS, EM CONFORMIDADE COM O CÓDIGO DE DIREITOS DE AUTOR E DOS DIREITOS CONEXOS.
.
.
.
Escrever é poder amar-te



sábado, 19 de janeiro de 2008

MULHER À BEIRA DE UM GRITO

Sentiu uma vertigem, o chão a afastar-se, depois tudo muito rápido a rodar, o descontrole nas pernas, os pés amarrados um no outro, a mão a afastar o inevitável e fim: queda. O pescoço parecía ter dado um esticão, uma electricidade por todo o corpo, tremuras muitas, o coração disparado. Levantou-se rápido, talvez ninguém tivesse visto. Uma mulher acercou-se dela e perguntou-lhe se estava bem, estava tudo óptimo, um riso nervoso a disfarçar o susto, veio outra e depois um curioso de mãos atrás das costas, está tudo bem, não foi nada, foi só um susto e agachou-se para apanhar a mala de mão, os objectos espalhados exibindo uma privacidade envergonhada. Arrebanhou-os numa pressa lançando o olhar num raio próximo que lhe garantisse nada esquecer. Sacudiu-se, a roupa preta apegara-se a uma poeira castanha que não saía, as meias finas esburacadas nos joelhos babavam um fio de sangue, o laço do sapato arrancado, doíam-lhe as palmas das mãos, esfoladas, riscadas de uma gravilha miúda que não se vía. Achou-se miserável, solitária, abandonada. Refugiou-se no degrau da entrada de um edificio devoluto, tentando calcar o enfeite do sapato mas este não adería e os buracos nas meias tinham agora aberto estradas largas quando as puxou para cima na tentativa de esconder o inevitável roto. Os joelhos ardíam como bolas de fogo e começou a sentir dificuldade em esticar e flectir as pernas. Sentiu-se febril, tapou o rosto, escondeu as lágrimas como uma criança castigada. Mas o tilintar de algumas cêntimos atirados por um passante para dentro da sua mala de mão aberta a seu lado, deram-lhe de volta a vertigem mas desta feita de um grito de socorro.

1 comentário:

Whispers in night disse...

Ola linda!
Muitas vezes a ferida que doi, nao e aquela que esta a vista na pele, sim aquela que penetrou a carne e a alma
beijinhos mil
Rachel