DEC.LEI Nº344/97

TODOS OS TEXTOS SÃO DA PROPRIEDADE DO AUTOR E ESTÃO REGISTADOS AO ABRIGO DA LEI DA PROTECÇÃO DOS DIREITOS AUTORAIS E PROPRIEDADE INTELECTUAL. INCORRE NO CRIME DE CONTRAFACÇÃO QUEM SE APROPRIAR, COPIAR, PLAGIAR E MENCIONAR NO TODO OU/E EM PARTE OS TRABALHOS AQUI PUBLICADOS, EM CONFORMIDADE COM O CÓDIGO DE DIREITOS DE AUTOR E DOS DIREITOS CONEXOS.
.
.
.
Escrever é poder amar-te



segunda-feira, 28 de abril de 2008

VERDES PRADOS

Eram prados vermelhos, um carmim-rubor de todas as batalhas e de todas as paixões que por ali se havíam deitado quer no leito de sangues vertidos quer no amor que fertilizara papoilas e de outras no oiro, espigas cambiadas de palha-cabelos de jovens que odoravam vidas de vida no zumbido falado dos dedos entrelaçados. Veio a ceifa, deita abaixo Estio, que da louca correría à madura jornada novo corpo lhe há-de despontar botões no caroço do nascer e se do corado há saudade no verde se renovam as histórias.

2 comentários:

Rui @t Blog disse...

Lindo (repito.
Posso mandar fazer um carimbo para marcar assim, todos os textos ?

poetaeusou . . . disse...

*
verde sangue,
em
rubro prado,
,
conchinhas
,
*