DEC.LEI Nº344/97

TODOS OS TEXTOS SÃO DA PROPRIEDADE DO AUTOR E ESTÃO REGISTADOS AO ABRIGO DA LEI DA PROTECÇÃO DOS DIREITOS AUTORAIS E PROPRIEDADE INTELECTUAL. INCORRE NO CRIME DE CONTRAFACÇÃO QUEM SE APROPRIAR, COPIAR, PLAGIAR E MENCIONAR NO TODO OU/E EM PARTE OS TRABALHOS AQUI PUBLICADOS, EM CONFORMIDADE COM O CÓDIGO DE DIREITOS DE AUTOR E DOS DIREITOS CONEXOS.
.
.
.
Escrever é poder amar-te



segunda-feira, 4 de fevereiro de 2008

O SOLDADO

Adeus então, vou indo, não digas adeus, é tão, tão, tão verdadeiro? Não, tão definitivo, tão radical, mas é mesmo, que achas, por que te enganas, é mesmo adeus, eu vou, tu ficas, sim, mas um dia quem sabe voltamos a encontrarmo-nos, não te enganes que custa mais, sabes lá tu! O mundo é tão pequeno e depois quando se quer tudo se consegue, tu não queres? Eu quería não ir, quería ficar perto de ti mas lá fora, tu sabes, não vamos falar mais, dá-me só um beijo. Tu volta-me, estás ouvir-me? Inteiro, que te quero inteiro! Não vás! Não podes fugir? Fugíamos os dois, não queres? Tenho de ir, vais dar-me esse último beijo ou não?! Não quero partir sem te levar o gosto, anda, dá-me um beijo de cinema e diz que gostas de mim, gosto de ti soldado, vai com cuidado, vou, abraça-me agora e não te esqueças de acenar o teu lenço.

1 comentário:

Whispers in night disse...

ola linda!
quem parte leva um bocado da alma, quem fica, fica com ela a sangrar.
Muitas vezes o Adeus e dificil de dizer,so que antes o dizer de uma so vez, do que ter que dizer todos os dias que se vive
mil beijos
Desta Amiga
Rachel