DEC.LEI Nº344/97

TODOS OS TEXTOS SÃO DA PROPRIEDADE DO AUTOR E ESTÃO REGISTADOS AO ABRIGO DA LEI DA PROTECÇÃO DOS DIREITOS AUTORAIS E PROPRIEDADE INTELECTUAL. INCORRE NO CRIME DE CONTRAFACÇÃO QUEM SE APROPRIAR, COPIAR, PLAGIAR E MENCIONAR NO TODO OU/E EM PARTE OS TRABALHOS AQUI PUBLICADOS, EM CONFORMIDADE COM O CÓDIGO DE DIREITOS DE AUTOR E DOS DIREITOS CONEXOS.
.
.
.
Escrever é poder amar-te



sábado, 17 de novembro de 2007

A REDOMA

Na maquilhagem densa escondía-se da juventude: Apoiada sobre os cotovelos roçava as costas trajadas de cetim negro e escorregadio no balcão manchado de fundos de copos alcoolizados pelos anos de bocas encostadas aos vicios de confissões perdidas no espelho embaciado das dedadas do barman. Rodava lentamente de um lado para o outro sentindo as pernas escanhoadas na lâmina esbeiçada e ferrugenta deslizarem como um viés, da saia pouco pano, a groselha extra açucarada a tombar em diagonais vermelhos recordava-lhe vagamente que na semana anterior e ainda na outra passada o ciclo da lua não se cumprira e que se fechasse os olhos e continuasse no movimento do pêndulo do relógio tudo se acertaría até chegar ao ponto exacto sem falhas, sem a ausência do cliente novo que viera uma só vez e por quem se encantara no toque das mãos cuidadas. O barman bateu-lhe no ombro a lembrar-lhe a hora de serviço, a moeda adiantada antes de entrar na redoma de vidro a girar e entontecer a roupa de negro no carrossel das peças caídas ao som de uma qualquer musica asmática. Rodava. Rodava a vida, rodava a cabeça, rodavam os pensamentos na embriaguêz descuidada das mãos que não lhe havíam dado tempo de aquecer.

1 comentário:

Lu@r disse...

Sabe sentir o teu olhar pela madrugada.

Deixo um beijo pela manhã.