DEC.LEI Nº344/97

TODOS OS TEXTOS SÃO DA PROPRIEDADE DO AUTOR E ESTÃO REGISTADOS AO ABRIGO DA LEI DA PROTECÇÃO DOS DIREITOS AUTORAIS E PROPRIEDADE INTELECTUAL. INCORRE NO CRIME DE CONTRAFACÇÃO QUEM SE APROPRIAR, COPIAR, PLAGIAR E MENCIONAR NO TODO OU/E EM PARTE OS TRABALHOS AQUI PUBLICADOS, EM CONFORMIDADE COM O CÓDIGO DE DIREITOS DE AUTOR E DOS DIREITOS CONEXOS.
.
.
.
Escrever é poder amar-te



segunda-feira, 14 de abril de 2008

RITUAIS

Ligou a luz do pequeno candeeiro do lado esquerdo da secretária, abriu as gavetas, cinco lápis, uma caneta de tinta permanente, as folhas acertadas num maço, a fumegar a chávena de café, já de asa lascada e o cigarro não fumado junto às beatas empilhadas no cinzeiro, o relógio de pulso liberto do braço estiraçado adiante, o gato na alcofa tufado, vai agora, é agora, tudo a postos, ajeita-se no cadeirão, traça o primeiro risco cinza sobre a folha, delimita cantos, ao miolo o ataque. Mas parou de imediato, que lhe falta o mais importante: o xaile que a aconchega nos ombros as palavras que tem junto ao peito.

1 comentário:

£oµ¢o Ðe £Î§ßoa disse...

Pode-se ter ciume dum xaile?

Xiuuuuu...